A influência da obesidade no sono: mito ou verdade?



Há séculos já se percebe a relação da obesidade com pior qualidade do sono. Isso não é um mito! O personagem de Joe, em “The Posthumous Papers of the Pickwick Club”, de Charles Dickens, era um menino com obesidade, roncava muito e apresentava intensa sonolência durante o dia, o que o levava a dormir em situações inusitadas.

Após vários estudos sobre essa associação – obesidade e sono – ficou realmente confirmada essa relação e definida a síndrome de apneia obstrutiva do sono. Nesta situação há piora ou até parada da respiração e portanto diminuição do sono reparador.

Mais recentemente, foram identificadas consequências dessa relação como influência no metabolismo lipídico e causa de hipertensão arterial secundária.

O excesso de peso corporal tem grande influência na fisiopatologia da síndrome. Uma vez que há acúmulo de gordura na região do pescoço, e também na laringe, leva ao estreitamento de sua luz e junto com a queda da base da língua favorece seu colapso. Deste modo ocorre o ronco e até a parada da respiração (apneia).

Se te contam que você ronca muito e fica períodos sem respirar, fique atento! O tratamento da obesidade não é só estético, é saúde! Uma vez que você reduz o peso corporal a tendência é a melhoria da qualidade do sono.